Equatorial substitui Enel e assume distribuição de energia em Goiás

A Equatorial Energia assumiu a distribuição de energia em Goiás nesta terça-feira (3) três dias após ter concluído a compra das ações da antiga Celg-D da Enel por R$ 1,6 bilhão, a partir da aprovação da aprovação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A empresa foi fundada em 1999, é o terceiro maior grupo de distribuição de energia do país e também atua no setor de transmissão, energia renovável e saneamento.

A Equatorial Energia assumiu a distribuição de energia em Goiás nesta terça-feira (3) três dias após ter concluído a compra das ações da antiga Celg-D da Enel por R$ 1,6 bilhão, a partir da aprovação da aprovação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A empresa foi fundada em 1999, é o terceiro maior grupo de distribuição de energia do país e também atua no setor de transmissão, energia renovável e saneamento.

Plano de ação

 

De acordo com a empresa, segundo entre as ações a serem implementadas, estão investimentos estruturais que devem ser direcionados à “melhoria de distribuição de energia e atendimento à demanda reprimida, com novas linhas de distribuição e subestações”. Ainda segundo a Equatorial, esse plano projeta três novas subestações, três novas linhas e subtransmissão, 9,6 mil novas ligações de baixa e média tensão e 98,5 mil de baixa tensão.

Com o plano de ação, a empresa planeja construir três novas subestações, três linhas de transmissão, 9,6 mil novas ligações de baixa e média tensão e 98,5 mil de baixa tensão. Além disso, planeja ampliar sete subestações de Goiás.

Equatorial Energia

 

A Equatorial tem algumas das distribuidoras com pior desempenho no ranking da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), já foi denunciada pelo Ministério Público Federal por crime ambiental e está entre as companhias com maior lucro do país (entenda sobre a denúncia ao fim da reportagem). Isso porque um levantamento da empresa Economatica aponta a Equatorial entre as 30 maiores empresas em receita líquida no ano de 2021, com R$ 24,2 bilhões. Em 2020, a receita foi de R$ 17,9 bilhões.

A companhia também está entre as 30 com maiores lucros do país, com R$ 3,7 bilhões no ano passado. Em 2020, o valor foi de R$ 3 bilhões.

Além de Goiás, a companhia atua em outros seis estados brasileiros:

  • Maranhão
  • Pará
  • Piauí
  • Alagoas
  • Rio Grande do Sul
  • Amapá

 

Ranking das distribuidoras de energia

 

Equatorial Pará – 7ª posição
Enel Goiás – 27ª posição
Equatorial Maranhão – 28ª posição (penúltima posição)
CEEE (RS) – 29ª posição (última posição)

As demais distribuidoras da Equatorial não entraram excepcionalmente no ranking, pois estavam em um regime com limites de indicadores flexibilizados.

Em reunião com investidores, a empresa disse que é especialista em identificar companhias em dificuldades e promover o crescimento e reestruturação. A companhia informou ainda que terá condição de acompanhar o desenvolvimento do estado entregando energia em quantidade e qualidade suficiente.

Fonte: g1.globo

Notícias Relacionadas